Nathal & Candlesticks


 

Este será o novo Blog do Nathal de hoje em diante.





Meu novo endereço é:  Aqui


Apareçam, comentem.




Escrito por Nathal às 18h36
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Estória Global

Hoje em dia o mundo está totalmente envolvido em uma "marolinha"  do tamanho de um Tsunami. A questão é, em minha opinião, questão política, muito mais do que econômica.

Estamos, a meu ver questionando o socialismo democrático que se espalhou na Europa, e nos EUA, apesar de dizerem o contrário.

Desde a queda do liberalismo nos EUA, na Inglaterra, e no Chile, e com a ascensão dos socialistas, inclusive no Brasil, a distribuição de favores, o aumento da corrupção, ou o avanço puro e simples no dinheiro dos impostos, pagos às duras penas pela população, pelos detentores do poder, teve seu lugar.

 Foi uma apropriação gigante da riqueza das nações em beneficio do que se chamou, na antiga URSS, de Nomenklatura. 10% da população dos países socialistas detêm 95% da riqueza.

Mas não fosse a massiva impressão de moeda pelos países desenvolvidos, estaríamos há pelo menos três anos em uma depressão econômica. O mundo de hoje mudou e vai continuar mudando.

Apesar do desenvolvimento cientifico, não escaparemos de uma crise de proporções bíblicas em futuro muito próximo, se considerarmos o tempo de vida de uma geração humana.

O problema do mundo é o que se chama de dinheiro fiduciário. A quantidade desse dinheiro nas econômicas é tal que não há a menor possibilidade de que esse dinheiro seja devolvido aos bancos. O que o brasileiro costuma chamar de papagaio, dívida a ser paga, está totalmente em perigo de virar um mico global.

Começamos com a impressão de alguns trilhões de dólares para salvar os bancos detentores da papagaiada nos EUA. Salvando-se os bancos, salvar-se-ia a população e seus depósitos, já que era tanto dinheiro que os bancos não poderiam ter a menor chance de quebrar. Foram assim considerados “grandes demais para falir” e o que se viu foi o movimento mais estranho do mundo. Qualquer notícia ruim que aparecia, as bolsas subiam mais e mais, devido ao fato de que os BCs estavam salvando qualquer um que fosse credor de qualquer quantidade de dívida, desde que fosse um banco.

E o socialismo salvava seus comparsas, os ricos e banqueiros, com o dinheiro pago pela população em impostos.

Até que a crise começou a ameaçar os próprios bancos centrais, que ficaram com um bando enorme, incomensurável, de papagaios.

 

Então, só então, começaram a cortar benefícios, esmolas e outras formas de calmantes populacionais, que têm o propósito de acalmar as populações, enquanto o roubo das riquezas tomava o seu rumo.

Agora, sem empregos, benefícios, pensões e aposentadorias, os governos vão fazer economia, achacando os pobres e arrecadando menos.

Esses governos vão cair, os próximos vão ter de pagar a dívida impagável.

O povo vai entrar pelo cano, como sempre.

Uma coisa já é certa. Os Bancos Centrais não podem mais imprimir dinheiro, pois a expectativa de um sistema econômico que pressupõe que recursos finitos, jamais acabam, e que pretende distribuir riqueza que não existe, causa uma mudança no balanço da lei de oferta e procura que causa inflação, que por sua vez causa empobrecimento geral, menos para aqueles tais 10%.

O centro do furacão hoje é a Grécia, com uma dívida estimada de $ 300 bilhões de euros. Depois temos Portugal e Irlanda, somando essa dívida, dos três países, teremos perto de $1 trilhão de euros em dívidas.

O próximo da lista em questão é a Espanha. Mas ela é um caso diferente, ela sozinha tem uma dívida maior que a soma dos outros três países e não se sabe se essa dívida é de $2 ou $3 trilhões. É uma incógnita que BCE não quer deixar o mercado saber.

Nos EUA se sabe que a dívida, só do governo, é maior do que $ 14 trilhões de dólares.

Somando-se o total das dívidas, se elas forem pagas, somente os donos dos bancos terão dinheiro, o resto paga conta. Parece que a maquina capitalista vai ter de dar uma freada, ou seja, uma desvalorização geral de moedas, empobrecimento geral, e consumo bem menor do que se espera no sistema.

Melhor dizendo, vamos ter de mudar esse sistema, é o que se está chamando por ai de “troca de paradigma”.

Vai doer muito.

O Brasil é um dos primeiros a querer esconder a queda do consumo com impressão de dinheiro, distribuição de benesses, e gasto público. Quando chegar nossa hora, não quero nem ver.

 

 

 



Escrito por Nathal às 09h33
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Assista e se Assuste.

 

http://www.youtube.com/watch?v=XySGw-g2tyk

 

 

 

 

 



Escrito por Nathal às 19h59
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Descobriram; a ferda mede.

Esse caso da contaminação por E. Coli na Alemanha é muito esclarecedor do que hoje é politicamente correto.

Na Alemanha são já todos verdes, ou pelo menos a grande maioria. É bacana ser verde, da hora, politicamente correto. Vamos consumir produtos orgânicos sem o maldito adubo inorgânico, NPK.

Vamos adubar nossa comida com coco, bem orgânico, comemos merda e ai, infectados por uma bactéria encontrada nos intestinos, resistente aos antibióticos, e mortal, ficamos reclamando, mas ao mesmo tempo indenizando aqueles que, em fazendas orgânicas, jogam coco na lavoura.

Você está reclamando de que? Pense bem, seja verde compre produtos orgânicos, 40% mais caros e faz um bem danado para a sua saúde.



Escrito por Nathal às 13h13
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




O fim

O que o mundo está assistindo é o fim das teorias econômicas. O fim do capitalismo, o fim do socialismo, e da social democracia, o fim do liberalismo, e o fim dos recursos naturais baratos, além de pressentir o desastre econômico que o preço, cada vez mais alto da alimentação, trará à humanidade.

Vamos passar alguns anos tentando equacionar como viver sem energia. A maioria da população vai ter de lutar para poder pagar a conta de luz e gás. Até que o mundo troque a matriz energética, as coisas ficarão cada vez mais difíceis.

O fato é que não há como crescer economicamente, isso é definitivo. O mundo vive neste instante o dilema de como fazer o consumo cair drasticamente, sem que a classe dominante, os políticos, e a “zelite”, entrem por um cano jamais visto na historia da humanidade.

Eu não estou muito preocupado com essa gente, preocupo-me com os chineses, brasileiros, e outros povos emergentes. Chegamos no fim da festa, estamos comendo as sobras. Pode acreditar, não vai dar mais para todo mundo.

Querem falar do que? Comida? O mundo está sem potássio. É acabou. Você já ouviu falar da escassez de potássio? Sabe por que isso ameaça a humanidade?

Que tal de petróleo? Sabe que o petróleo está acabando. Pelo menos o que custava barato até o ano passado. Você já se deu conta de que a OPEP esta sem cabeça, sem rumo, sem domínio, por causa da tal de primavera islâmica. Já percebeu que o preço do petróleo, cobre, minério de ferro, não caem nem que digam que o mundo entrou em depressão econômica.

Então essa conversa de que vamos crescer já faz parte do folclore nacional e mundial. O mundo globalizado não vai mais a lugar algum, a não ser que já temos quem minere a Lua, e Marte.

E assim, tudo o que foi dito e aprendido em termos de economia, pode esquecer. Vamos ter de achar novos rumos, se der tempo.



Escrito por Nathal às 14h02
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




A esperança do Xerife.

 Depois de um banho de sangue ontem no mercado mundial, as manchetes de hoje e os comentários das televisões especializadas são:

1.      Lá pelo final do ano o Dow Jones vai estar em 20.000 (atualmente está em 12.000) e relacionam as 10  razões  para isso acontecer.

2.      Se as bolsas estão caindo é porque a economia está desacelerando e temos de chamar o xerife (FED) para salvá-la.

Acho melhor chamar a cavalaria.

Parece que a única certeza que essa gente toda tem é que os preços dos produtos de energia e alimentação, além dos metais, vão subir de preço.

Todo mundo compara a depressão dos anos 30 do século passado com a situação de hoje.

Lá tínhamos muito recurso e estávamos iniciando o desenvolvimento à base de energia barata e não renovável, e principalmente, apenas 1,8 bilhões de pessoas viventes. Aqui temos 7,1 bilhões de indivíduos, todos querendo consumir, e os preços da energia vão ficar mais caros do que qualquer um pode imaginar, a não ser aqueles que sabem o que é a realidade da economia hoje.

Então a esperança dessa gente se resume a que a bolsa suba.

Os problemas e a vida vão ser resolvidos pelo Xerife...pensam eles.



Escrito por Nathal às 08h15
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]


 
Histórico
Outros sites
  Tornar-se um vencedor
  ouviu? nao? então ouça
  Blog Do Aluízio
  Prof Romano
  Claudio Humberto
  Noblat
  Projeção
  Apligraf
  Site do Jornalista Diego Casagrande
  Tambosi
Votação
  Dê uma nota para meu blog